domingo, 23 de Março de 2014

Hoje sinto-me lua ...

Acordo ... espreito pela janela, e lá fora um nevoeiro espesso forra todos os recantos da paisagem. 
A terra hoje só se revela ao coração.
 Tenho vontade de me recolher!
 Recolher-me na luz da lua e na sabedoria dos mochos.
 Espreitar as estrelas e tocar no mistério das coisas.
  Domingo recolhido, domingo noite, domingo em que o sol dá lugar à lua e 
os mochos piam dentro de mim.


quinta-feira, 6 de Março de 2014

Conecte

Enquanto o meu homem procura novas aves na Pedreira da Praia, eu deixo-me ficar. Sentada, no lugar do costume, já percorri as lagoas com os meus binóculos. Vi pilritos, gaivotas, pernas longas, maçaricos-galegos, tarambolas, borrelhos e outras coisas mais.

Para além da paisagem humana, dos cheiros pouco puros, há aqui, também, uma tranquilidade especial. As aves, esses bichos livres, que vem de paragens longínquas até a estas ilhas, enchem o espaço de uma liberdade que é só delas. Sinto-lhes o voo, e ouço-lhes as vozes que me embalam. Então, deixo cair os olhos, e quando dou por mim, já viajei para espaços internos distantes.



sábado, 1 de Março de 2014

Laranjas para um dia de sol


Hoje dia de sol, dia de meditação, dia de laranjas transformadas em bolo.

Se escolhesse o bolo da minha vida, seria um deste fruto, bem regado com o seu sumo, dando uma consistência húmida à massa e deixando o seu sabor cítrico desfazer-se na boca. 

Neste caso estamos perante uma adaptação vegan, de um bolo para preguiçosos, tal como eu. Coloca-se tudo no liquidificador, aperta-se o botão por duas vezes, massa para a forma e forno com ele. Mais simples? Difícil.
As laranjas vieram das quintas do Pico, onde o ar é outro e as laranjas sabem a casa, a ilha e a montanha.

Na primeira versão segui a receita original, com ovos. Na segunda tentativa, tirei os ovos e adicionei uma chávena de água com uma colher sopa de sementes de linhaça. Quando colocado à consideração familiar a resposta foi a seguinte: “A diferença não merece gastares os ovos preciosos das nossas galinhas”. E pronto, agora a versão é sempre vegan e, claro, adicionando o dito suminho por cima, que também não fazia parte da receita original. O resultado é qualquer coisa entre o pudim e o bolo, por isso, se é daqueles que gosta de um bolo fofinho, este não é para si.



Aqui fica a receita deste bolo solar:

Colocam-se no liquidificador:

2 laranjas com casca, cortadas, tirando apenas os topos;

2 chávenas de açúcar;

1/2 chávena de óleo;

1 colher de sementes de linhaça demolhadas (deixar algum tempo para ganhar goma) numa chávena água;

e bzzzzzzzzzzzzzzzzz liquidifica-se.


Segunda parte

Junta-se ao preparado anterior:

2 chávenas de farinha;

1 colher de sopa de fermento;

E bzzzzzzzzzzzzzz liquidifica-se.


Forma com ele e vai ao forno. O tempo de cozedura não dou, pois cada forno é um forno, mas é coisa para cozer perto de uns 45 minutos. Depois de cozido fura-se com um garfo e rega-se com sumo laranja. Para os mais gulosos, pode-se ferver antes o sumo de laranja com pouco de açúcar.


E agora é só deixar o sol brilhar nas vossas bocas :)

segunda-feira, 24 de Fevereiro de 2014

Desafio Blogueiro

Recebi um desafio da autora do blogue Colher de Mãe para responder a umas questões sobre mim e desafiar mais umas quantas e quantos autores/as de blogues com menos de 200 seguidores para também responderem a umas questões sobre eles e desafiarem mais uns quantos a fazerem o mesmo.
Por isso, hoje vim aqui, apenas para isso.


11 coisas sobre mim

  1. Adoro o aconchego da casa, com bichos esparramados por todos os lados e um tacho a fumegar no fogão de lenha
  2. Sonho eternamente em conseguir uma rotina de acordar com o nascer do sol, mas custa tanto deixar o quentinho da cama.
  3. Nunca consigo seguir uma receita, tenho sempre de acrescentar ou tirar qualquer coisa...resultado...nem sempre o melhor
  4. Fetiche ...assaltar casas abandonadas...é o meu lado negro
  5. Nada como comer uma sopa para aquecer alma...sou uma verdadeira sopeira
  6. Adoro encontrar tesouros no lixo, recolher móveis velhos e sonhar que um dia os vou recuperar
  7. Detesto casas excessivamente limpas...parece que não vivem lá pessoas
  8.  Verde, árvores, terra, pássaros a cantar, fins de tarde, disto tudo muito ...
  9.  Açores para nascer, viver e morrer
  10. Sonho um dia construir uma casa de terra, moldada à mão
  11. Yoga comigo, com os outros e com tudo
As 11 perguntas para responder:
1. Se pudesses fazer qualquer coisa como trabalho, o que escolhias?
Ser professora de yoga de todas formas e feitios, ser capaz de transformar e inspirar as pessoas através do yoga...sem dúvida nenhuma 
2. Como seria a casa dos teus sonhos?
OH meu deus...posso dizer que, em parte, já vivo na casa dos meus sonhos. Adoro o meu cantinho, mas amava ter uma casa em terra, toda construída com as mãos e os pés. Toda redondinha, com janelas redondas, com muitas flores, muita luz...um fogão rocket, daqueles que aquecem um sofá feito, também em terra. Até me brilham os olhos e palpita o coração só de pensar. 
3. Na tua casa, as cortinas estão sempre abertas ou fechadas?
Na verdade pode-se dizer abertas, porque não há cortinas ...preciso de muita luz, precisava era de abrir mais buracos para entrar mais luz :) 
4. Para o dia a dia, preferes a loucura da cidade ou a calma do campo?
Prefiro sempre, mas sempre a calma do campo, no dia a dia, nas férias, nos sonhos, onde for. A cidade só para passar de um campo para outro.
 
5. No dia a dia qual a coisa que mais te aborrece fazer?
 As rotinas diárias, em particular lavar louça, yaaaak
6. Onde e quando gostas de ler?

Adoro ler por aí, lá está uma coisa que gosto fazer na cidade, adoro passear com um livro na mão e sentar-me num café a ler...infelizmente por aqui, não existem cafés para se estar e ficar. Por isso leio à noite na cama e por vezes, se tomo pequeno almoço fora, mesmo assim, não sendo os melhores cafés para a leitura, consigo tirar algum gozo na leitura nesse momento. 
7. Um livro e um filme que te tenham feito sonhar.
Fernão Capelo Gaivota 
8. O que mais gostas de comer?
Sopa (acho que já tinha mencionado), atum com batata doce, sopas de leite com queijo São Jorge, Pão com queijo, sem lá tantas coisas...comer é mesmo comigo

9. Se não houvesse constrangimentos, quantos filhos terias?
Pergunta difícil, porque acho, verdadeiramente, que não tenho filhos porque não quero e não por constrangimentos. Mas se tivesse, no mínimo dois, e por aí adiante.
 
10. Rádio ou televisão?
Nem um nem outro, não fazem cá falta em casa. Trazem mundo a mais, não cabe depois tudo nesta casa pequenina

11. Qual o teu aroma preferido?
Terra molhada, sargaço do mar, rebanho de cabras, lenha a arder, tomilho da montanha do Pico...ups era só um 

Bem, como já estou há dias infinitos para conseguir escrever a pergunta para os restantes blogueiros e não me sai nada, vou passar à acção e publicar isto a metade... se for banida da comunidade blogueira por não cumprir as regras , que assim seja ...

sexta-feira, 1 de Novembro de 2013

Salada e araçás para acalmar uma mente criativa

O que faz uma mulher sozinha em casa numa noite de Outono?
Loucuras :)

Tenho estado numa febre criativa imparável. Apetece-me mudar tudo. Pintar, forrar, mudar de sítio...começei a ficar assustada com esta minha vontade imparável de mudança. Assim, para afastar da cabeça os mil pensamentos de remodelação, pus-me a caminho do quintal. Claro está, lá trás surgem-me outros tantos planos para as culturas de Outono. Contudo, permaneci fiel ao objectivo e centrei-me apenas nas colheitas: uns tomates, uma grande courgete que me tinha escapado, um pimentão e derrepente no meio de um canteiro, pequenas bolinhas amarelas!!. Vejo mais de perto. Apanho uma com os dedos. São araçás. Já tenho araçás. Sorriso nos lábios, alegria no coração.

Olho para pequena árvore que ladeia o cateiro e aí, na sua altivez, os frutos parecem-me todos verdes. Estreitei o olhar e com mais atenção aqui e ali surgem umas bolinhas vermelhas. Colho-as e junto-as às amarelas que já tenho dentro do escorredor que servíu de cesto. A dúvida surge então na minha mente. Se os frutos da árvore são vermelhos, como é que os do chão são amarelos? No meu probre conhecimento sobre araçás, achava eu que existiam árvores que davam frutos vermelhos e outras que davam amarelos. Enfim sem resposta para a minha pergunta, regressei a casa imensamente feliz, traulitando uma canção qualquer. Amanhã a sobremesa será araçás com leite, umas das melhores iguarías do Outono, acreditem.


Feita a salada, voltei ao rodopio das mudanças. Dediquei-me ao meu suporte de palete dos sapatos do quarto. Com uma receita de tinta que descubri há pouco tempo, e mais uma lata de tinta quadro ardósia, fiz o trabalhinho num instante. Não é uma obra prima, essa preparo-a para mais tarde, mas o resultado agradou-me. Vejam lá como ficou e asseguir copiem a receita da salada de araçá com leite, que não se vão arrepender.



Salada de Araçá (mais simples e saborosa não há)
Uma mão cheia de araçás
Leite
Açúcar

Cortar os araçás em metades ou quartos, regar com açúcar, com generosidade, e finalmente cubrir com leite. Convém maturar bem, eu diría que dois dias é melhor que um, para ficar com uma consistência mais próxima do iogurte, mas se utilizarem leite gordo um dia é suficiente, também depende da proporção de araçás, por isso mesmo o melhor é ir verificando. Claro que a maturação faz-se no frigorifico. Apreciem ...


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...